30/06

Por que os franceses comem carne de rã?

Bon Appétit!

A cada ano, os franceses beliscam nada menos que 4.000 toneladas de carne de rã. O segundo país consumidor é a Suíça, com 200 toneladas, seguido da Alemanha, com 11 toneladas. Isso torna os franceses dignos merecedores do apelido “froggie” concedido pelos ingleses.

A cada primavera em Vittel, no norte da França, acontece a Foire de la Grenouille (Feira da Rã). Durante um fim de semana, o cheiro da carne de rã frita ou grelhada na manteiga, com alho e ervas, se espalha em todos os bairros da região. Mas, de onde vem este verdadeiro frenesi pelo batráquio?

Do fosso dos castelos para a mesa

Na Idade Média, muitos castelos eram cercados por fossos cheios de água para conter os assaltos. O clima na França sempre favoreceu a proliferação de rãs nestes fossos, especialmente na primavera, quando aconteciam verdadeiras sinfonias do canto estridente daquele anfíbio. Isso incomodava muito os senhorios, que mandavam de vez erradicar o animal. Tal mutirão de extermínio era chamado de “grenouillade” (rã em francês se diz grenouille). O que você acha que o povo faminto e oprimido da época teve ideia de fazer com tamanha quantidade de grenouilles?

É claro que, naquela época, as receitas não eram lá grande coisa. Alexandre Dumas, ilustre escritor e autor de “Os três mosqueteiros”, escreveu “O grande dicionário da cozinha”. Nele podemos aprender que, desde a Idade Média, os médicos e a igreja tinham decidido que o animal era nefasto para a saúde. Mas, a partir do século XVI, a rã já era encontrada nas melhores mesas da aristocracia francesa. Na realidade, a carne de rã é altamente rica em proteína. Seu sabor é muito discreto e deixa o papel principal ao molho que acompanha.

Estreando no novo cardápio do Au Bon Vivant, a rã vem como uma entrada: Cuisses de grenouilles en gratin. É um gratinado de coxinhas de rã desfiadas com pickles de cebola roxa. Versátil, o batráquio gosta tanto de um tinto leve quanto um branco pungente!

E você, também é apreciador da carne de rã? Deixe seu comentário abaixo!

Comentários (4)

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  1. giuseppe cuccia disse:

    Adoro carne de rá, delicada e de fácil digestão gosto dela ao vinho com algumas especias e temperos.

  2. Daniel Goulin disse:

    Parabéns, e uma ótima ideia. E sendo desfiada em “gratin” o brasileiro vai ter menos dificuldade em ingurgitar o animal. Para mim “ail et persil” continua minha maneira favorita de preparar. Abraço a todos

    • Philippe Watel disse:

      Obrigado Daniel! Havia também um ótimo lugar para se degustar rã: Rima dos Sabores, do Juliano Caldeira, que infelizmente fechou. Se souber de outros lugares, pode postar aqui!

TAGS

Amuse Bouche - Au Bon Vivant - bolinho francês - cannelé - Cardápio novo - carne de rã - Chef - culinária - culinária francesa - entender os rótulos dos vinhos franceses - ervas - Ervas Dei Falci - escargot - gastronomia francesa - harmonização - novo cardápio - - receita - receita de steak tartare - Silvana Watel - sopa de cebola - sopa de cebola francesa - sopa de cebola original - steak tartare - Taça de vinho - terroir - Vinho - vinho tinto com peixe - vinhos - vinhos franceses

Posts relacionados

Como chegar